Início / Futebol / Em terra de Cristo, time do papa não tem vez

Em terra de Cristo, time do papa não tem vez

Para a maior torcida do mundo a Libertadores não poderia começar melhor. Antes do apito inicial, em forma de mosaico, mais de 60 mil apaixonados avisaram: “Isso aqui é Flamengo“. Tudo deu certo e a festa também não poderia ser em outro palco se não o Maracanã. Um baile rubro-negro, mostrando que em terra de Cristo, o time do papa não tem vez, pior para o San Lorenzo. Placar final de 4 a 0.

Como em todo espetáculo, o melhor ficou para o final, no caso de uma partida de futebol, para o segundo tempo. A primeira etapa pode ser esquecida, jogo fraco, sem muitas emoções. Foram apenas duas finalizações, uma para cada lado. Mas quando a bola rolou após o intervalo, uma mudança a nível Flamengo, digna de Libertadores da América, que foi contemplada com um gol de Diego logo nos minutos iniciais, com toda sua frieza e categoria na cobrança de falta.

A partir daí, o Flamengo tomou conta do jogo. A torcida empurrou a equipe e Trauco acertou um chute de rara felicidade, era a certeza de que a noite era rubro-negra. O terceiro veio com Rômulo, de cabeça, após escanteio cobrado por Diego. Gabriel entrou no lugar de Everton e deu um novo gás a equipe na etapa final. Assim que entrou, sofreu pênalti que foi desperdiçado por Guerrero. Mas ainda deu tempo para o meia deixar o seu gol e sacramentar a festa no Maracanã, na favela, e em todo coração rubro-negro.

Algumas observações após o fim do jogo valem ser destacadas: Guerrero não pode cobrar pênaltis, sempre bate mal, é melhor deixar para quem sabe, bolada parada é do Diego. Berrio mudou a cara do Flamengo após entrar no lugar do Mancuello. Provou para o Zé Ricardo e para quem acompanha o rubro-negro que não é um Marcelo Cirino estrangeiro e merece sim a vaga de titular na equipe. Gabriel mostrou que pode ajudar e muito o Flamengo. Entrou muito bem e agradou a todos os flamenguistas.

O próximo desafio do Flamengo na Libertadores é o Universidad Católica, em Santiago, no Chile.

Sobre Lucas

Carioca, 20 anos, estudante de jornalismo e apaixonado por esportes.